Cerca de 500 pessoas participam do II Congresso do Complexo Hospitalar

Cerca de 500 pessoas participaram nas últimas quinta-feira, 13, e sexta-feira, 14, da segunda edição do Congresso do Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Pará (UFPA)/Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), baseadas no tema "Interprofissionalidade a serviço de um sistema público de saúde de qualidade". O evento teve como objetivo atualizar conhecimentos e promover a integração entre os profissionais da área da saúde. A programação reuniu convidados especialistas de instituições de São Paulo, Pernambuco, Maranhão e Distrito Federal, assim como do Pará e dos hospitais universitários Bettina Ferro de Souza (HUJBB) e João de Barros Barreto (HUBFS), que formam o Complexo Hospitalar da UFPA/Ebserh.
 
A mesa de abertura contou com a presença do pró-reitor de pesquisa e pós-graduação, Rômulo Simões Angélica, representando o reitor da UFPA, Emmanuel Tourinho, que cumpria agenda fora de Belém; do representante do secretário municipal de Saúde, Sérgio Amorim, Leonardo Lobato; do representante do secretário da Sespa, Vitor Mateus; Gerente de Ensino e Pesquisa do Complexo Hospitalar, Pedro Paulo Piani; e superintendente do Complexo Hospitalar, o médico e sociólogo Paulo Roberto Amorim.
 
Como destaque da abertura foi a homenagem feita à servidora da UFPA Ana Yasue Yokoyama, pelos serviços públicos que tem prestado à instituição de ensino superior e aos hospitais universitários. Sem menos esperar, ela foi convidada a subir no palco para receber das mãos do superintendente o certificado de servidora exemplar do Complexo. "Não esperava uma homenagem dessa e fiquei tão surpresa que não tive palavras para demonstrar minha gratidão, porque a minha história profissional começou em sala de aula e hoje me sinto gratificada por concluí-la na área da saúde. Então, foi muito emocionante, foi passar um filme na minha cabeça", declarou.
 
Conferência - O professor Nildo Alves Batista, da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), proferiu a conferência de abertura, com o tema do Congresso. Segundo ele, a formação do profissional de saúde é tarefa importante para o atendimento ao usuário e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Por isso, na opinião dele, "é fundamental a realização de eventos como este para que tenhamos essa mudança de cultura organizacional, para que as diversas profissões possam trabalhar em conjunto".
 
O coordenador da comissão organizadora e GEP do Complexo, professor Pedro Piani, esclareceu que a segunda edição do Congresso do Complexo reflete a trajetória consolidada de disseminação e debate de toda a produção de conhecimento em saúde que os serviços e grupos dos hospitais universitários podem oferecer à sociedade a partir suas referências. Para o superintendente do Complexo e Presidente do Congresso, Paulo Amorim, "representa a oportunidade de discussão de temas de relevantes, pois enseja debates pertinentes e entusiásticos que contemplarão a todos que têm sua atuação na área da saúde".
 
Na opinião da técnica de enfermagem do HUJBB Floreci Sales o Congresso foi inovador. "Tive a oportunidade de participar de uma palestra com foco na multidisciplinariedade e a inclusão do farmacêutico nesse conjunto de profissionais é interessante. Tratar sobre esse tema é essencial, "para sabermos trabalhar juntos, na perspectiva de beneficiar principalmente o nosso paciente" comentou.
 
Inovação – Uma das mesas redondas que chamou a atenção do público foi a "Inovação tecnológica em saúde", que trouxe como convidado o professor Hélio Roberto Hékis, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Ele apresentou as pesquisas realizadas no Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), que também faz parte da Rede Ebserh. Para ele, relatar a experiência do LAIS é uma oportunidade de intercâmbio, para que se possa, futuramente, investir em inovações tecnológicas em saúde no Complexo.
 
O estudante Felipe Costa Santos, aluno do curso de Nutrição da UFPA e bolsista do projeto "Inovação tecnológica na terapêutica nutricional com carboidrato", foi um dos apresentadores do tema livre. Segundo o discente, o projeto é uma novidade na área e visa o tratamento nutricional dos diabéticos, através dos planos nutricionais ilustrados, voltados aos pacientes que têm dificuldade visual por causa da doença e não sabem ler ou têm dificuldade de leitura. "Como os planos padrões são escritos não convêm a esses pacientes e por causa disso não conseguem aderir ao tratamento alimentar corretamente. Então, com esse plano ilustrado a gente consegue ter adesão maior deles", esclareceu.
 
Interdisciplinaridade – Outra conferência que marcou a discussão foi a da professora Sylvia Batista, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com o tema "Formação de trabalho na saúde: territórios interprofissionais". Ela destacou a importância da integração entre as profissões para o atendimento das populações vulneráveis. Segundo a professora, "é só nessa integração que a gente vai conseguir produzir uma formação que responda às necessidades sociais, que esteja adequada ao SUS e que contribua para que as ações no complexo hospitalar sejam ainda mais eficientes".
 
A programação encerrou com entrega de prêmios para os melhores trabalhos científicos apresentados nos temas livres, e teve apresentação cultural da banda da Atlética Poraquê, associação dos estudantes de medicina da UFPA. A próxima edição do evento está prevista para o ano de 2020.