HUJBB alerta profissionais sobre casos suspeitos de sarampo e poliomielite

“Toda comunidade hospitalar deve fazer o monitoramento de casos suspeitos de Sarampo e Paralisia Aguda (PFA), considerando a ocorrência de surto das doenças instalado nos estados de Roraima e Amazonas”. O alerta é do Núcleo de Vigilância Epidemiológica (NVE), vinculado ao Setor de Vigilância em Saúde e Segurança do Paciente do Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB), do Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Pará (UFPA)/ Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). A iniciativa se dá por causa da ocorrência do surto de sarampo instalado nos estados de Roraima e Amazonas e o isolamento do vírus pólio, derivado vacinal tipo 3, de acordo com o informe técnico emitido pela Organização Pan Americana de Saúde (Opas).
 
A chefe da Unidade de Vigilância em Saúde (UVS), a enfermeira Silvia Barros, informa que a orientação dada aos profissionais é que ao detectarem casos suspeitos de ambas enfermidades informem à UVS do HUJBB, para que se acione o Departamento de Vigilância Epidemiológica do Município pelo telefone (91) 98417-3985. Outra medida é que esclareçam os pacientes sobre a importância da vacinação, “única forma de preveni-las”.
 
Ela disse que os últimos casos autóctones de sarampo no Brasil foram registrados em 2000. Entretanto, em fevereiro deste ano, o Ministério da Saúde (MS) notificou caso suspeito de sarampo em Boa Vista, Roraima (RR). Comentou ainda que o levantamento epidemiológico recente aponta que em RR foram notificados 377 casos suspeitos da doença e, desses, 83 foram confirmados. No Amazonas, 900 foram contabilizados e 143 confirmados. Por fim, no Rio Grande do Sul contabilizou-se 35 casos suspeitos e confirmado somente um. 
 
O Estado do Pará desde 2010 não registra paciente com sarampo e os três confirmados nesse ano foram pessoas de outras nacionalidades. Apesar disso, a enfermeira Silvia afirmou que toda a atenção é necessária, considerando os casos recentes registrados no território brasileiro. 
 
Poliomielite - Outra enfermidade que os profissionais da saúde chamam a atenção da população é para a Poliomielite. A Organização Mundial de Saúde, por conta da notificação de uma criança venezuelana de 2 anos e 10 meses de idade com diagnóstico da enfermidade, fez alerta em relação a essa doença. 
 
Silvia comentou que o Brasil recebeu o certificado de erradicação da poliomielite em 1994, mas como foi erradicada apenas no continente americano, a Vigilância Epidemiológica das Américas voltou a se preocupar com esse problema de saúde. No HUJBB, de 2016 a 2018 foram notificados oito casos suspeitos de paralisia flácida aguda (PFA), todos descartados como casos de poliomielite, doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito e que atinge cerca de 1% das infecções causadas pelo poliovírus.
 
Informações gerais sobre o Sarampo Veja AQUI.
 
Informações gerais sobre a Poliomielite Veja AQUI.
 
Texto: Edna Nunes – Ascom do Complexo Hospitalar da UFPA/Ebserh, com informações do MS.
Imagem: Reprodução Google.